Open top menu
segunda-feira, 16 de maio de 2016

Se Cunegundes adora aprontar todas com Candinho (Sérgio Guizé) e os filhos, Elizabeth Savalla, sua intérprete, gosta mesmo é de arrancar boas risadas dos colegas de elenco nos bastidores do "Êta Mundo Bom", de Walcyr Carrasco.

UOL acompanhou a gravação de algumas cenas da novela em que o núcleo da fazenda se muda para o palacete de Anastácia (Eliane Giardini), que começaram a ir ao ar na sexta-feira (13). Nos intervalos das gravações, Savalla dá colo para Miguel Rômulo e brinca ao aparecer com o rosto vermelho devido a uma crise alérgica de Cunegundes.

"Hoje já aconteceu muita coisa, já fiquei alérgica à lagosta, ela já caiu nos meus peitos, depois eu já caí da escada, muitas coisas acontecem, e a gente fez tudo de primeira. O Jorginho [Fernando, diretor] tem essa experiência de fazer isso e num clima alegre, divertido, a gente dá risada. E a gente vai levando porque o dia é puxado, a novela demora um ano, são seis capítulos por semana, é muito texto e é muito tempo. Se não tiver um clima bom, não funciona. É uma equipe que você fica pensando se quando acabar você terá a mesma felicidade numa próxima novela porque a gente realmente se apega. Pra onde você olha tem uma carinha que você gosta", diz.
João Cotta/TV Globo
Elenco de "Êta Mundo Bom" conversa com o diretor Jorge Fernando no intervalo de gravações


Entre uma pausa e outra, a atriz aproveita para almoçar o frango xadrez usado em uma cena que ela nem participou, é chamada às pressas pelo diretor e segue ainda de boca cheia para gravar em outro ambiente.

"Hoje a gente não almoçou, porque a gente viu aquele tanto de comida que teria em cena, mas eu me esqueci que eu passava fome e falei: 'ah não, também quero comer'. Por isso fui lá comer", diz ela, ao justificar a cena do jantar, em que Cunegundes foi proibida de comer por causa da reação alérgica que teve no almoço.
Para se desligar dos problemas pessoais e do mundo real, Savalla só entra nos estúdios com seu óculos de grau e o texto e, apesar das maldades de sua personagem em cena, acha tudo muito engraçado.

"Me divirto muito porque a gente se gosta. Toda a maldade que a Cunegundes faz com as pessoas, todo mundo sabe que é mentirinha, então é muito bom fazer de mentirinha. Me divirto muito fazendo as maldades, a gente faz com uma leveza em que as pessoas não percebem. E o Walcyr também não deixa barato, ninguém é carrasco impunemente. Ela sofre muito, ela já caiu duas vezes no chiqueiro, uma vez no lago, já levou um raio na cabeça, já fiquei toda vermelha, e muitas coisas virão.", diz
.
João Cotta/TV Globo
Elizabeth Savalla abraça Sérgio Guizé enquanto ensaia uma cena de "Êta Mundo Bom"


O sucesso de "Êta Mundo Bom" é notado diariamente pela atriz, que ao andar pelas ruas sente a popularidade de Cunegundes.

"O retorno do público é parecido com o que tive com a Márcia, de 'Amor à Vida', onde demos um ibope altíssimo. Achei engraçado quando soube o nome da personagem. Pensei, 'dá pra fazer muitas coisas com esse nome', dá pra brincar. A novela tem isso. O Jorginho fez um trabalho de botar no trilho, o cenário é lindo. Há um cuidado muito especial", diz.

Você não precisa ter uma bolsa, que custa o preço de um carro
"Ser humano tem quer ser íntegro e honesto"
Enquanto Cunegundes quer ganhar dinheiro, ganhar casaco de pele e ver as filhas casadas com homens ricos, Elizabeth Savalla mostra ser uma pessoa simples, não é ligada a marcas e conta que só consome o que é essencial.

"Acho tudo uma grande bobagem. Quando o papai faleceu, há três anos, aprendi algumas coisas muito importantes na minha família de origem. A primeira coisa, é que o ser humano tem que ser íntegro e honesto. A coisa mais importante que ele tem é seu nome, sua palavra. Eu continuo achando isso, de ter educação. O papai achava tudo uma grande bobagem, ele achava que a gente tinha que ter uma casa, como todo bom filho de imigrante. Então a coisa mais importante era ter as suas contas pagas, uma boa despensa cheia, um teto para morar e seu nome limpo", diz.

Muitos famosos gostam de ostentar vestidos de grifes caríssimos, bolsas e carrões, a atriz conta que considera importante ter os objetos apenas para cumprir suas funções básicas e que dificilmente ela desfilará com acessórios valiosos.

"Jamais pagaria, como tem muita gente que paga, R$35 mil, R$ 40 mil numa bolsa. Acho que a função da bolsa é carregar a sua carteira, o sapato é pra proteger seu pé, simplesmente para ele não se machucar, um carro a função é te levar de um lado para outro, confortavelmente, mas não precisa você ter um carro que custa o preço de um apartamento. E você não precisa ter uma bolsa, que custa o preço de um carro. Acho que a gente vive num país com muitas dificuldades. Acho que quem tem a mais tem tanto orfanato para ajudar, tanta criança.", conclui.
Tagged
Different Themes
Written by Lovely

Aenean quis feugiat elit. Quisque ultricies sollicitudin ante ut venenatis. Nulla dapibus placerat faucibus. Aenean quis leo non neque ultrices scelerisque. Nullam nec vulputate velit. Etiam fermentum turpis at magna tristique interdum.

0 comentários